quarta-feira, 7 de julho de 2010

Além do que se vê



Todo caminho leva a algum lugar.
O que mais tenho receio na vida é dos caminhos que eu ainda hei de seguir. Tenho medo de falhar, medo de trilhar passos que não me levem além.
Como a vida é tortuosa e escura. Queria ao menos saber o que há quando eu dobrar a esquina. Estamos cercados de tantos acasos e viver é sim muito perigoso.
O que eu quero pra minha vida talvez eu ainda nem saiba, talvez ainda nem tem nome, parafraseando Clarisse. Só sei que tenho sonhos. Tenho metas e planos.
Desde criança o que ouço é que todos os caminhos levam a Roma, mas será que eu sei o que é a Roma da minha vida?
De vez enquando penso que perco tempo demais, não produzo e não evoluo, já se foi minha adolescência e minha juventude talvez seja breve, e quando paro pra imaginar o que eu fiz de bom, demoro a recordar de coisas que parecem nem ter sentido.
O tempo não parará pra que eu enfim me levante e corra, tenho sim que me erguer e traçar destinos, o livre arbítrio me garante ir aonde eu queira. Já não quero mais me acomodar e pensar no ócio.
Os caminhos são escuros, mas não sombrios. Já não temo o desconhecido como antes, e minha motivação é a luz na rota da minha vida.
Antes não tinha pressa de viver, mas hoje tenho certeza que os indefinidos anos que viverei talvez sejam poucos, e eu tenho sede de vida.
Quero por o pé na estrada e fazer a diferença, não importa o que virá.

Lucas de Souza Oliveira

Um comentário:

Tamara Lacerda disse...

Sem pressa, esquece o tempo e o amanha! Viva, Lucão! ^^